28/06/2011

Seu nome.

Hoje vi seu nome na agenda.
Que vontade de chorar.
Tem coisas que o coração não aguenta,
Mesmo que a gente não chegue a falar!
Eu vi seu nome no poema,
Deu-me vontade de dizer
Que tudo valeu a pena por ter amado você!
Eu vi seu nome no jornal,
Tive ânsia de gritar,
Arrancar-me do peito este mal
Que só me fez chorar!
Eu vi seu nome na revista,
Foi aí que comecei a perceber
Que há paixões infinitas
Que nos levam a vontade de viver!

24/06/2011

Enforcaram o poeta.

Esta dor que tenho em mim agora
É a mesma que me fez vir embora
Quando vi matarem um irmão,
Dando-lhe tiros dos ombros à testa!
Meu Deus, quanta desconsideração,
E ainda enforcaram o poeta!
Ninguém mata um ditador,
Apesar de ele gerar tanto horror!
O Sul da África explode
E é maior a revolta da nação.
Enquanto morre preto, branco morre.
E morre ainda uma parte da nação!
Enforcaram o poeta
E a revolta se prolifera!
A dor da terra se mistura
Ao sangue de nossas veias.
E como se não bastasse a ditadura,
Não há o que comer sob o Sol ou Lua cheia!
Enforcaram o poeta,
Mas não seu ideal que se manifesta!
Chora a África inteira,
O mundo chora compadecido,
Mas ainda corre o sangue nas veias
Do peito d’África ferido!

Voltaremos.

Não é arma do inimigo que nos abate,
Nem sua estratégia técnica e tática,
Mas sim a falta de fé em evitar o combate
De forma sutil, inteligente e rápida!
Não é a fronteira ou a muralha que é intransponível,
Mas o nosso olhar que engrandece o obstáculo,
Fazendo-nos ver como impossível
Algo que é totalmente prático!
Não são as pedras que nos jogam,
Que nos tiram da competição,
Mas sim o medo de vencer
Que deturpa nossa visão!
Não é mágoa ou a ferida
Que paralisa nossas pernas,
Mas sim a dor que não termina
Pela valorização excessiva que damos a ela!
Não é a bala ou o facão
Que extermina nossa vida,
Mas sim nossa falta de intuição
Que não permite que ela progrida!

Quatro dias de Setembro.

Quando fui pego pelo DOI-CODI
Por causa do AI-5,
Fizeram-me vários cortes
E disseram que eu me cortara com o cinto!
Quando fui pego no Araguaia,
Arrancaram os dentes e as digitais
E usaram alicates e navalhas
Em mim e em outro rapaz!
Quando me pegaram para valer
Eu nem sabia por que apanhava
E eles queriam tanto me bater
Que mesmo que eu falasse ninguém escutava!
Disseram que um embaixador
Fora sequestrado por uns subversivos
Que queriam espalhar o terror
Sob a bandeira do socialismo!
Naqueles quatro dias de setembro
Tudo que eu comia vomitava
(agora sim me lembro),
De tanto que eu apanhava!
Aquele tempo acabou
E hoje o combate é pelo penta,
Mas de muitos nem foto restou.
E hoje há quem não queira, mas ainda se lembra!
Hoje as veraneios vascaínas
não circulam mais pelas praças,
mas as fúrias assassinas
podem estar em qualquer um nas praças!
Hoje os assassinos
não estão a favor ou mesmo contra o estado.
Pode-se ser um doce menino
ou até um cidadão bem conceituado!
Mata-se tanto por aí
que não sabemos quem é vítima ou psicopata.
A liberdade e libertinagem só fez eclodir
dementes que por qualquer coisa matam!

18/06/2011

Saudade.

Hoje eu quis chorar,
Com uma angústia que não tinha fim,
Uma vontade imensa de ao tempo voltar,
Tempo em que você estava perto de mim!
Com você as flores tinham perfume,
O sol brilhava sem queimar,
Não havia desconfianças nem ciúmes.
Você sim conjugava bem o verbo amar!
A vida era mais clara,
Os amigos mais sinceros,
E quando para mim você olhava,
Não havia maldade em meu cérebro!
Hoje a vida é esquisita
E eu não tenho a quem amar
Carregando em mim uma saudade infinita.
Oh, Deus! Até quando será?!

Eu por mim mesmo.

Não tenho muitos inimigos,
Mas os poucos me mantenho à distância.
Busco no encontro dos amigos
A paz que perdi na infância!
Não sou diferente de ninguém,
Mas não sou igual a todo mundo.
Acredito e defendo que todos vivam bem,
Seja ou não nobre o vagabundo!
O amor que um dia plantei
Vou colher no coração,
De acordo com o que semeei
Em minha peregrinação!
Não sei o que vem depois
Que um amor se acaba,
Mas garanto que desfeito o sonho de dois,
O pesadelo toma conta da casa!
Todavia, não mais me preocupo
Com os dissabores e o medo
Porque todo dia sei que luto
Na busca do Eu por mim mesmo!

Volte para mim.

Hoje acordei triste e calado
Com saudade de de sua boca quente e úmida,
E vi que você não estava do meu lado,
Enquanto lá fora caia a chuva!
A cada lágrima que cai
Sinto o vazio da cama
E eu não retenho meus ais
Ao pensar se a outro você ama!
Não tenho direitos a este sonho,
Mas nossas juras de amor foram tão fortes
Que em tudo que componho
Só vejo meu destino ao Norte!
Hoje acordei triste e magoado,
Com tanta dor dentro do peito,
Mas na realidade sinto-me solitário
Sentindo o frio em meu leito!
Vejo sempre um avião
No qual sinto você voltando,
Mas que desilusão,
Você não sabe o que estou chorando!
A cada batida em meu peito
Ouço uma voz gritando sem fim
E por mais que eu não tenha direito
Só sei pedir para que volte para mim!

17/06/2011

1/2 romântico.

Vou falar de amor
Enquanto os saques da fome
São patrocinados por políticos
E pelas campanhas das safadezas!
Vou plantar uma flor
E orar pelos homens
Que se matam e morrem sifílicos
Para não perderem a guerra das cervejas!
Hoje eu acordei meio triste,
Com os olhos marejados de dor,
Mas o meu anjo me disse
Para oferecer a quem me odeia uma flor!
Ontem eu via da janela
Uma mulher com o filho no colo,
Que sorria para ela,
E eu me envergonho do que choro!
Não se aposente ainda não,
Pois eles roubaram todo o seu dinheiro
E estão viajando pelo mundo,
Por não ter cadeia para este tipo de ladrão
Que engana o país inteiro
E você será chamado de vagabundo!
O alcaide local torrou toda a grana
Seguindo por um bando de sanguessugas,
Enquanto o povo nunca aprende, só apanha,
Sendo atendido em ritmo de tartaruga!

Asa Morena.

Hoje o dia amanheceu mais tarde
E eu não vi o seu olhar.
A mim pareceu uma eternidade,
Que vontade de chorar!
Hoje o dia amanheceu escuro
E eu sem saber de você.
Para que haja futuro,
Eu preciso urgente lhe ver!
Eu creio na felicidade
E luto para ser feliz,
Mas preciso de você comigo nesta cidade,
Não do outro lado do país!
Já fiz de tudo para lhe esquecer,
Mas ouço sua canção a toda hora,
Se penso em mim respiro você.
Por favor! Volte logo para mim agora!
Saiba que quando ouço Per Amore,
Viajo e sonho na sua voz
Mesmo no meio de tantas flores.
Sem você me sinto só!
Hoje me vi chorando
Sem você, minha pequena,
Mas acabei me acalmando
Ao ouvi-la tão suave, Asa Morena!

15/06/2011

O caminho dos loucos.

Antes eu chorava
E me deixava abater
Pelo fato de que em minha estrada
Não resta nada de você!
Antes eu me iludia,
Dizendo que íamos nos encontrar
E guardava minha euforia
Para um dia lhe entregar!
Antes eu não sabia do sofrer
Que hoje abala meu coração,
Que cansado de esperar por você
Prostrou-se contra o chão!
Antes o que era dor
Para mim realmente era pouco
E acabei plantando a flor
No meio do caminho dos loucos!
Antes não havia chorar
E a vida era uma beleza.
Isso, antes de eu  encontrar
Em meu caminho tanta tristeza!
Antes eu caminhava sem medo
Porqu acreditava em tudo,
Mas agora não tenho aqueles doces desejos
E não mais me iludo!

É duro ver meus sonhos
Jogados contra o meu corpo
E o que sobra se torna medonho
Por estar no caminho dos loucos!

Desejo subjetivo, semi-angústia que não sei

Desejo, mundo subjetivo
Em busca de algo concreto
Para tornar o que realizo
Palpável feito objeto!
Expectativa, semi-angústia que não sei,
Passando a ser um ser faltante
De tudo que aguardo e não ganhei;
E estou esperando a todo instante!
A insegurança do meu ser
Perdeu-se na expectativa
Porque não consegui obter
De todas apenas uma alternativa!
Ao codificar minha linguagem,
Tornei-me por certo o emissor
De novas e boas mensagens,
Na espera de que você seja o receptor!

Para concluir é muito bom saber
Que a vida tem a sua ciência
E é importante viver
Para superar a própria experiência!


Por você

É por você esta lágrima,
Mas você não vê este olhar,
Não aplaude esta mágica,
Não colabora com este sonhar!

É por sua causa o poema,
Porém, você critica a tatuagem,
Cria e recrimina o dilema
E não percebe a mensagem!
É pelo seu corpo o calor,
Que me sufoca a paixão,
Que aumenta o ardor
E extravasa a tesão!
É por você a saudade,
Também o desejo,
Buscando a prosperidade
No calor com o beijo!
É por sua causa o canto,
Junto tem a canção,
Que refaz com calma o acalanto
Por ser pura a emoção!

É pelo seu corpo que luto,
Mas você não vê que transpiro,
Não sabe o que busco
Nem percebe que perco o sentido!

Justiça.

Todo homem é inocente
Até provarem o contrário,
Mas muitos viram delinquentes
Pela falta de trabalho!

Todo homem é bom
Até o momento fatal,
Porém, o discurso muda de tom
Com a injustiça social!
Todo homem tem dignidade
E luta para mantê-la,
No entanto, as regras da sociedade
Sempre o levam a perdê-la!
Todo homem luta por amor
E crê na justiça divina,
Contudo, ao gerar tanto rancor
Ele compromete a própria sina!
Todo homem sabe que Deus
É o supremo dom da Terra,
Mas na arrogância se perdeu
A ponto de inventar a guerra!

Todo homem sabe que um dia
A justiça vira para todos
E punirá a injustiça e hipocrisia
Na busca pelo ouro de tolos!

Sonho sem poesia.

Em todo este tempo que passo
Esperando de você algo que não ofereço,
Percebo que se me desgasto,
Por certo o que sofro é o que mereço!

Em todo este tempo que sofro calado
Vejo que de você não me resta muito
Do que ficou quando do meu lado
Alegria  e sonho andavam juntos!
Em todo este tempo em que sozinho
Procuro em vão um pouco de você,
Percebo que na falta de carinho,
Feito um animal chego a enlouquecer!
Em todo este tempo em que tranqüilo
Fiz o meu mundo desmoronar,
Sob o céu raivoso e mar bravio,
Não vi o que deixei de amar!
Em todo este tempo em que magoado
Magoei quem nunca me feria,
Destruí um sonho no céu já consagrado
Sem reter sequer a poesia!

Em todo este tempo em que matei,
Pensando que o fazia por estar sendo morto,
Tal qual um navio no alto-mar afundei,
Sem ver a luz que me orientava no porto!

12/06/2011

Namorar

O frio só veio confirmar
Tudo o que eu já lhe dizia,
Que para mim o importante é amar
A você todos os dias!
Eu quero crianças brincando
Nas praças com liberdade,
Enquanto que nós dois, namorando,
Plantaremos flores pela cidade!
Com o sol em minhas mãos,
Aquecido pelo seu olhar,
Quero através de toda a nação
Vê-la feliz a cantar!
Os dias passam depressa,
Menos o meu amor por você,
E tudo para mim recomeça
Quando a posso rever!
A você todos os dias
É importante amar,
Pois tudo o que eu lhe dizia
O frio só veio confirmar!
Um poema nas estrelas,
Gravarei dentro de seus olhos o brilho
E sempre que eu puder revê-la
Eternizarei em mim seu sorriso!
O frio continua a confirmar
Tudo o que eu lhe dizia,
Se você comigo namorar,
Renascerei todos os dias!

Seu e-mail

Preciso de seu e-mail
para lhe enviar mais de mil mensagens,
para falar do amor que deixa meu peito cheio,
mas pessoalmente falta coragem!

Preciso de seu e-mail porque
pessoalmente é tão difícil,
há tanto o que dizer
e lhe falar parece um sacrifício!

Preciso de seu e-mail urgente
para lhe fazer o poema
que mostrará que a gente
nasceu para vencer este dilema!

Preciso de seu e-mail para
dissertar sobre o meu amor,
que me toma a fala
e eu me perco diante deste ardor!

Preciso de seu e-mail
para lhe falar de mim,
pois sem você eu sou apenas meio
e você me completa até o fim!

Preciso de seu e-mail
para mostrar que sua imagem, meu amor,
gravei-a sem o menor receio,
como proteção de tela para o meu computador!

Tu ( não sabes ).

Tu não sabes o quanto chorei
Quando de mim foste embora.
Nem sabes o quanto te amei
Com a emoção que não tem hora!
Tu não vês o que me ocorre
Quando ouço nossa música,
Nem sabes que meu coração morre
Na quietude de uma noite de chuva!
Tu não podes imaginar
Que meu pranto não tem fim
E que se continuo a lutar
Não mais o faço por mim!
Tu sequer podes ver
Que meu peito tão doído
Só continua a doer
Por ter no coração um sonho perdido!
Tu sempre soubeste de minha dor
E pisaste nela como ninguém,
Feriste-me tanto e com tanto ardor
Que hoje nem sei o que é querer bem!

Ser emoção.

Sou todos, tantos e muitos
E acabo não sendo nenhum.
Sou tudo que não se deixa junto,
Seguindo para lugar algum!
Sou por certo um sonho incerto,
Na incerteza diária e chata.
Sou longe o que se tem perto,
Afastado por mão ingrata!
Sou um, dois ou três, um pouco mais.
Sou também o que não quero ser
Mas sigo em busca da paz!
Sou muitos, todos e tantos,
Seguindo para lugar algum,
Sendo tudo que não se deixa junto
Por ser e estar em lugar nenhum!
Sou, com certeza, o bem do mal.
No mesmo instante em que quero o mal do bem,
Sou por certo mais que ideal
Para continuar não sendo ninguém!
Sou o sonho sonhado à toa,
Desses que vêm e vão.
Sou por você esta pessoa
Que não controla a própria emoção!

Promessa.

Eu te farei a poesia
Do tipo que tu gostarás,
Tendo toda uma ideologia
E o meu jeito de amar!
Eu te farei a canção
E te darei o meu verso
Para que a minha emoção
Transcenda todo o meu verso!
Eu te farei o poema
E te falarei de meu sentimento,
Pois viver não é problema
Para quem tem bons pensamentos!
Eu te darei uma ode
Cantando as minhas manhãs
Para que saibas que tudo podes,
Pois eu sou teu fã!
Eu te cantarei a lira
Dos meus vinte ou trinta anos,
Porque teu olhar em minha vida
É a razão dos meus planos!
Eu te declamarei o soneto
Com tanto carinho e amor
Que ao me ouvir te prometo
Fazer de ti uma flor!

Sí-Bemol.

Procuro pelo sol além do sol.
Procuro pela luz além da luz.
Pela melodia de um si-bemol,
Pelo azul além do azul!
Busco o sonho que se perdeu,
A poesia que não escrevi.
Quero o amor que não é meu,
Mas é a emoção que escolhi!
Desejo o amor que não amei,
O sonho sonhado à toa.
Desejo tudo que não ganhei,
Pois a vida não corre, voa!
Sonho amar o amor amado,
Daqueles que são pelo que são,
E quero tê-la aqui do meu lado
Renascendo em cada emoção!
Procuro o amor além do amor,
O sonho que busca o sonho,
O desejo que alimenta o ardor,
Feito os poemas que componho!
Desejo desejar o sentimento
Que esteja além de mim,
Para que com a força do meu pensamento
Eu supere meu próprio fim!

Minha espada.

Senhor, Deus de Elias,
De Daniel e de Jacó,
Minha alma é tão vazia,
Tenho me sentido tão só!
Senhor Deus de Israel
E de toda e qualquer nação,
Abra-me as portas do céu,
Ilumina-me o coração!
Senhor Deus de todo o universo,
Eu não sou digno de Vosso nome,
Sou indigno até para o meu verso
Ou mesmo minha honra de homem!
Senhor Deus de todos os seres,
Numa abrangência que não tem fim,
Tende piedade das mulheres
Que convivem com homens iguais a mim!
Senhor Deus de Abraão,
Que mostrou seu poder a Josué,
Toca, meu pai, meu coração.
Faça-me seguir de pé!
Senhor Deus, presente e vivo,
Fortalece-me na luta das jornadas
Para que o raciocíonio
Continue sendo minha espada!

Liberdade.

Quando você me ofendeu,
Dizendo que meus sonhos não valem um tostão,
Sem saber você me deu
A chave que abre a minha prisão!
Percebo cada dia que passa
Que sou mais eu sem você.
O seu amor me arrasa
E eu preciso sobreviver!
Eu não tenho para onde ir
Depois da queda fatal.
E quando você me sorri,
Nunca sei se é para o bem ou o mal!
Você me tem por amor
Ou por capricho? Sei lá.
Só sei que minha dor
Sempre a deixa a cantar!
Um dia, é certo, cantarei
Um verso de libertação,
No qual me livrarei
De sua ambígua e destrutiva paixão!
Vou seguir o caminho
Que me ensine a amar de verdade.
Posso até estar sozinho
Mas terei liberdade!

Perdido e apaixonado.

Ligo para você, ninguém atende,
E você sabe que lhe procuro todos os dias!
Você finge que se ofende
Para me ferir com sua ironia!

Você sabe o que sinto,
Pode ver o que me dói,
Sabe até que não minto,
Mas seu cinismo me corrói!
Você sabe que minha dor
Tem sentido universal,
Pois todo aquele que tem amor
É incapaz de querer mal!
Você poderia, por certo,
Querer-me como amigo,
Para pelo menos estar por perto,
Agraciando-me com seu sorriso!

Mas você só vê o seu lado
Em busca de glória pessoal,
Enquanto eu, perdido e apaixonado,
Acho tudo bom, tudo normal!

Louvação.

Louvado seja, meu Senhor,
Pela alegria de viver
Em nome de um amor
Que todo dia está a renascer!
Louvado seja, meu Senhor,
Pelo sol que irradia
Tanto calor e tanta luz,
Trazendo paz e alegria
A este povo de Jesus!
Louvado seja, grande Mestre,
Por todas as lições ensinadas.
E gostaria que todos pudessem
Seguir juntos na mesma estrada!
Louvado seja sempre, grande Arquiteto do universo,
Vós que fazeis o que homem algum imagina
E permites que com o meu verso
Possa eu seguir minha sina!
Louvado seja, Gitã,
Pelos verdes campos de minha terra,
Para que haja um amanhã
Onde o homem não viva de guerra!
Louvado seja, meu Senhor,
Pelo sorriso de criança,
Porque num momento de dor
Sabemos ter esperança!
Louvado seja sempre, meu senhor e rei,
Pela grandeza do universo também,
Pois eu sigo sua palavra e lei
Por todo o sempre! Amém!